29-05-2017

 

Comunicado da Direcção da CPAS

Sustentabilidade da CPAS

 

A Sustentabilidade da CPAS é matéria central e de essencial importância, sendo um referencial da solidez e capacidade da Instituição.

 

A CPAS está legalmente obrigada à realização anual de um estudo actuarial e de sustentabilidade, assegurado por entidade independente e de reconhecida capacidade técnica e científica.

 

A multinacional global Willis Towers Watson elaborou em Março de 2017 o Relatório Actuarial e de Sustentabilidade da CPAS, que integra os documentos de prestação de contas relativos ao exercício findo em 2016.

 

O referido Relatório deixa claramente transparecer que a CPAS está numa trajectória ascendente no que se refere à sustentabilidade (a médio prazo) do Sistema de Previdência.

 

A evolução do rácio de sustentabilidade (considerando apenas o valor de Contribuições efectivamente cobradas vs. Pensões pagas) e do valor dos Activos Financeiros da CPAS, para um período de 15 anos (até ao ano 2031), é francamente positivo.

 

 

Através do Relatório Actuarial e de Sustentabilidade é importante saber e registar, que:

 

 

O Estudo da sustentabilidade da CPAS foi efectuado com base em premissas conservadoras, o que reforça a qualidade dos resultados positivos referenciados, podendo ainda levar a resultados melhores, face aos que actualmente se perspectivam.

 

Não se encontram reflectidos no Estudo os impactos das medidas complementares comunicadas pela Direcção, sendo que aí se refere que essas medidas contribuem para o reforço da solidez e da sustentabilidade do Sistema, uma vez que procuram aumentar as receitas através de incorporação de recursos financeiros alheios aos Contribuintes.

 

A relação entre Contribuições cobradas e Pensões pagas melhora já a partir de 2017, sendo que em 2025 se assegura plenamente (100%) o rácio de sustentabilidade/cobertura, mesmo sem somar os rendimentos provenientes da gestão dos Activos Financeiros integrados no património da CPAS, nem considerar o impacto positivo das medidas complementares já comunicadas pela Direcção.

 

A relação entre Contribuições cobradas e Pensões pagas no final do período de 15 anos (triénio), assegura um rácio de sustentabilidade/cobertura entre os 92% e 87%, mesmo sem somar os rendimentos provenientes da gestão dos Activos Financeiros integrados no património da CPAS, nem considerar o impacto positivo das medidas complementares já comunicadas pela Direcção. 

 

Entre 2016 e 2031, o valor dos Activos Financeiros (mobiliários e imobiliários) tem uma trajectória de crescimento praticamente contínua e sustentável.

 

Entre 2016 e 2031, o valor dos Activos Financeiros cresce para cerca de 581 Milhões de Euros, ou seja, é superior em cerca de 60 Milhões de Euros relativamente ao valor registado em 2016

 

Estes factos são demonstrativos de que a CPAS já é e pode vir a reforçar a condição de Instituição de referência no quadro dos Sistemas de Previdência e tem condições para assegurar, no longo prazo, um Quadro de Sustentabilidade que compara ao melhor nível dos mais robustos Sistemas de Previdência.

 

Lisboa, 29 de Maio de 2017

 

O Presidente, António Costeira Faustino